NOTÍCIAS
.


.
 

Campanha salarial 2011/2012


Reajuste é de 8%

Os trabalhadores e trabalhadoras da Construção e do Mobiliário de Jaraguá do Sul e Região conquistaram 8% de reajuste salarial, retroativos a 1º de agosto. Pela nova Convenção Coletiva de Trabalho, o piso salarial teve reajuste ainda superior: de 10% para o setor do Mobiliário e Servente de Pedreiro, que passaram a receber R$ 715,00 (valor anterior era de R$ 650,00); e de 8,5% para os profissionais Pedreiro e Carpinteiro, que tiveram o Piso Salarial majorado de R$ 724,00 para R$ 785,00. O diretor do Siticom, Biásio Alcides Miotto, lembra que o reajuste salarial conquistado “não é o que o Sindicato quer”, ou seja, ficou aquém do valor aprovado na Assembleia dos trabalhadores, dia 25 de junho. Na ocasião, a categoria reivindicou piso salarial único, para Mobiliário e Construção, de R$ 1.000,00 e, para Pedreiro e Carpinteiro, Salário Normativo (após 90 dias) de R$ 1.500,00. “Considerando que nos últimos anos o ganho real foi de 1% e que esse ano chegou a 1,13%, entendo que o resultado da negociação ainda foi positivo”, avalia a presidente do Siticom, Helenice Vieira dos Santos.

Patrões intransigentes na negociação

Na hora em que estão frente à frente com os representantes dos trabalhadores, os patrões mostram toda intransigência do explorador para negociar melhorias. O diretor Biásio Alcides Miotto lembra que a comissão dos trabalhadores fez o possível para negociar as cláusulas sociais da Convenção Coletiva: “Nossa intenção era garantir mais direitos, como fornecimento do protetor solar ao trabalhador da construção civil, regularização da função na Carteira de Trabalho, licença maternidade de seis meses - “não há despesa, basta aderir ao Programa Empresa Cidadã, do governo federal”, reclama Alcides -, entre outros pontos, como “120% de adicional de hora extra praticada aos sábados, domingos e feriados, pagamento de férias proporcionais ao trabalhador, com qualquer tempo de serviço na empresa, além da multa de 10% em caso de atraso de salário, de modo a obrigar os patrões a pagarem em dia”, relata o diretor do Siticom.

 

 
 
 

 

 

<   Desenvolvido por INFORMA Editora Jornalística   >